A TRAGÉDIA GREGA RECONTADA


CARTA ABERTA DO GRUPO DE TEATRO IDENTIDADE PARA A COMUNIDADE DE TRÊS LAGOAS/MS

Três Lagoas/MS, 30 de janeiro de 2018

Tragédia e comédia é um par inseparável e faz parte da compreensão sobre o teatro e o fazer teatral há centenas de anos. Essa dupla sempre foi contada com maestria pelos grandes mestres, históricos e contemporâneos do teatro. Com esse pano de fundo, faremos desta carta pública um manifesto diante do desmonte galopante que identificamos, desde 2017, em relação à cultura nas suas variadas dimensões, que reunidas, representam uma tragédia recontada. Por que tragédia recontada? Porque não é raro ver políticas públicas serem transformadas em políticas de governo que nutrem os palanques eleitorais durante um período que seja. Portanto, contamos para a sociedade treslagoense que o Grupo de Teatro Identidade, criado em 2005, no âmbito da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, a partir desta data está rompendo a parceria institucional com a Prefeitura de Municipal de Três Lagoas.

O rompimento é pacífico, porém nós, idealizadores e integrantes do Grupo de Teatro Identidade, temos a responsabilidade social de deixar transparentes os motivos de uma decisão tão delicada. Deixamos claro que nós cumprimos com respeito e compromisso o nosso trabalho dentro das instituições que nos respaldam há anos, com o entendimento da prestação de um serviço público. E sabemos que atingimos o nosso objetivo de trabalhar por políticas públicas culturais e defender o direito de todo cidadão três-lagoense de ter acesso gratuito à arte e à cultura, algo que consideramos essencial na nossa constituição como grupo e inclusive na nossa atuação social.

Ao longo dos anos (2005-2017), em Três Lagoas atendemos cerca de 750 mil pessoas direta e indiretamente de acordo com os nossos relatórios anuais. Uma marca que o idealizador deste projeto, Prof. Leandro Cazula, não tinha noção que adquirisse doze anos depois. No que diz respeito à parceria Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Prefeitura de Três Lagoas, entre 2010-2017, nós do Grupo de Teatro Identidade, com as forças e os recursos disponíveis de ambas as instituições, promovemos e incentivamos a arte e cultura locais.

Esse número astronômico alcançado é resultado de um esforço conjunto no qual alguns projetos fazem parte da nossa história e são eles: o corrente e ininterrupto desenvolvimento da Escola Municipal de Teatro, ao qual fomentamos a formação de centenas de crianças, jovens e adultos. Fortalecendo a inserção e formação destes participantes ao universo teatral e artístico, atendemos com produtos e atividades desenvolvidas, tais como: contação de Histórias; esquetes teatrais socioeducativas e artísticas; espetáculos teatrais; sombras-clowns; pintura facial e atividades interativas. Todas essas ações concretizadas e oferecidas gratuitamente à comunidade em geral, atendendo, ainda, os Centros de Educação Infantil - CEI, Escolas Municipais e Estaduais, Secretarias de Assistência Social, Meio Ambiente, Saúde e Esportes, Departamentos, Diretorias e Cursos Acadêmicos da UFMS, dentre outras tantas instituições.

Realizamos trimestralmente o Sarau Cultural de Três Lagoas, evento que ocorreu desde 2010 e que foi realizado até sua 22ª edição. Esse evento promoveu e incentivou ao público e aos artistas três-lagoenses com o contato nas mais diversas manifestações artísticas, como dança, teatro, música, literatura, artes plásticas etc.

Tudo isso sem contar com o nosso projeto de que mais nos orgulhamos: Semana Cultural – MS EM CENA. A Idealização e realização de um dos maiores festivais de teatro do Estado de Mato Grosso do Sul que, desde 2007, colocou Três Lagoas na rota dos eventos teatrais nacionais e regionais. Com a realização da última edição, isto é, a 11.ª Representação, em 2017, entre os dias 14 a 19 de novembro, possibilitamos ao longo de mais de uma década a formação de plateia para eventos no setor cultural e teatral, beneficiamos a população três-lagoense com os melhores trabalhos de teatro do estado e do país, além de instigar e fortalecer o contato com artistas de teatros em diferentes linguagens, de vários lugares e, sem dúvida, um evento reconhecido e com prestígio de muitos artistas teatrais do Brasil.

Foi um esforço imenso em terras áridas para a cultura, com C maiúsculo. Mas há um detalhe nessa história e ela possui o tom trágico, porém não é inédito. Sim! É possível contar essa tragédia se a colocarmos no contexto turbulento que o no nosso país perpassa. O retrocesso que vivemos no campo social e cultural pode ser visto em todos os telejornais, revistas e espalhado nas redes sociais.

E o rompimento da parceria em nome da “repaginação do teatro”, tal como advoga a gestão da Diretoria de Cultura, talvez traga à tona a capacidade incrível e trágica, dos gestores públicos, de envelopar o velho com cara nova, a cada quatro anos, sem pensar no legado ou na importância cultural de políticas públicas. Neutralizando, desse modo, a capacidade de fuga de uma agenda corporativa e midiática em que se transformou a cultura em Três Lagoas, que há quem diga que possui ares de renovação.

Por sorte e seriedade no que fizemos e ainda podemos fazer, não paramos e, de longe, esse rompimento significa o apagar de luzes do palco Identidade. Há sementes e brotos de esperança por todos os lados, e voltaremos à nossa dimensão universitária, nossa raiz e berço de formação, mostrando que sempre haverá esperança de retomada, reflexão e continuidade. Para Três Lagoas estaremos onde nunca deixamos de estar, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, com a formação de plateia de sempre, enquanto um projeto de extensão. E com a certeza de que tragédia e comédia são lados da mesma moeda que, para o teatro, são completamente entrelaçados, mas para a gestão pública, pelo visto, só o lado da tragédia parece estar nos holofotes.

Evoé e muita merda!

Grupo de Teatro Identidade – Verão de 2018

0 comentários:

Postar um comentário